Vale a Pena Assistir a 2ª Temporada de Thirteen Reasons Why?


Olá leitores!
Antes de começar o post preciso admitir que eu fazia parte do grupo de pessoas que achavam desnecessária uma segunda temporada de Thirteen Reasons Why, e como eu gostei demais da primeira, fiquei com medo da continuação interferir na qualidade da série como um todo. Mas resolvi dar uma chance, assisti o primeiro episódio, e em seguida fui assistindo um atrás do outro, só parei para dormir e comer.

Na primeira temporada, acompanhamos pela visão de Hannah Baker (Katherine Langford), o que levou a jovem a cometer suicídio. E embora a temporada tenha acabado com um ar de encerramento para a história, várias pontas ficaram soltas, e a segunda temporada vem para aprofundar todos os temas abertos na primeira. A trama vai girar em torno do julgamento de Hannah, e todos citados em suas fitas, consequência de terem "feito" algo que a levou cometer suicídio, são intimados a depor. Nesse aspecto, temos um ponto positivo e outro negativo.

Cada personagem narra um episódio, e isso é muito bom para mostrar suas várias camadas, e para entender que ninguém é totalmente perfeito. Durante o depoimento dos personagens, muitas coisas são reveladas, e apesar de ser a mesma história já contada na primeira temporada, agora temos a oportunidade de vê-la sobre a visão de outras pessoas, não apenas da Hannah. E isso serviu também para mostrar que a vítima era uma jovem comum, que cometia erros, que tinha desejos e guardava segredos. Mas por outro lado, isso deixou a narrativa arrastada em alguns momentos, principalmente no meio da série. Em algumas cenas eu tive a sensação de repetição, e foi complicado me concentrar na história.


Outro ponto que não me agradou foi o excesso de cenas com a atriz Katherine Langford. Se na primeira temporada eles trabalharam bem as cenas em que Hannah estava viva e as em que estava morta, nessa temporada o exagero foi gritante, passando a impressão que ela estava viva. Eu sei que a atriz é muito talentosa e que a personagem é importante para a trama, mas eu senti que poderia ter uma dosagem.

A segunda temporada deixa bem claro que a série vai muito além do entretenimento, com uma narrativa nada suave, e várias cenas que causam incômodo, especificamente no último episódio da temporada.  Eu entendo que a cena do suicídio, as de abusos sexuais, agressões físicas e verbais, e o uso de armas, podem ser gatilhos para muitos jovens, mas a série mostra a realidade de muitos jovens nas escolas. E será que a solução é se calar e fingir que nada disso acontece, que é tudo ficção? Se a narrativa da primeira temporada era voltada para o público adolescente, nessa segunda temporada isso muda, e passa a ser uma série para adultos, principalmente para pais e quem trabalha na área escolar.

A série mostra que todos cometemos erros e ninguém é perfeito, principalmente as vítimas, mas que simples ações podem gerar um efeito dominó, e isso pode afetar para sempre a vida de alguém. Por isso, acho válido uma série falar sobre as falhas nas escolas, sobre a falta de empatia que cerca o ser humano, sobre como é difícil passar pelo processo de reabilitação em todos os sentidos, e principalmente mostrar a cumplicidade entre homens e a cultura do estupro. Mas além das polêmicas, a série também passa mensagens que valorizam a vida, como por exemplo, que podem existir muitos porquês, mas os porquês não também existem e são mais importantes.


Eu concordo que a série não é para todos, mas ela tem uma enorme importância. E através de uma direção simples e atuações jovens excelentes, temos uma segunda temporada que trabalha mais uma vez o bullying, mas com cuidado e uma amarração digna de ser apreciada, e que com certeza vai comprar muitas brigas por aí. A importância da segunda temporada se faz necessária para a concretização dos fatos apresentados na primeira, e eu achei que valeu a pena assistir.

E antes de terminar o post, quero dizer que se você se sente em crise, não consegue se abrir com ninguém e sente que precisa de ajuda, entre em contato com o CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar:

https://www.cvv.org.br/
Telefone: 188



Um comentário:

  1. Eu assisti até o quarto ep.
    Estava gostando, mas fiquei com medo de assistir até o final.
    Falaram tanto da cena com o Tyler que ainda não decidi se quero assistir.

    ResponderExcluir